terça-feira, 1 de abril de 2014

Abril

Abril! Meu mês favorito do ano, porque é quando cai meu aniversário! Infantil, eu sei. Mas eu sou dessas. E, aproveitando a energia forte do período de marte, aproveito para dedicar um texto a todos os arianos (sejam de abril ou de março), que tem tanto orgulho de apenas ser:


ÁRIES


Eu, que nasci entre 21 de março e 20 de abril, sou de áries, é o que dizem. Meu traço é a teimosia, minha cor é o vermelho, minha pedra é o rubi, é o que dizem. Mas estão todos errados.
Eu não sou teimoso! Não sou, não sou, não sou! Nasci de áries porque quis, não porque disseram. Minha cor é a que eu quiser que seja. E pra que vou precisar de uma pedra?
Se você não me conhece, não tem problema, sou aquele que não se apresenta. Já chego causando alvoroço, se a entrada não for triunfal, a saída será; e você não se esquecerá de mim. Conversaremos feito amigos de infância em apenas 15 minutos – o que, é lógico, não significa que seremos íntimos de verdade tão rápido. Conhecidos, tenho muitos, mas amigos mesmo, esses são poucos. Mas são os melhores do mundo, é claro, porque são meus.
Não me pergunte o motivo, eu não preciso de motivos, minha vontade me basta para o que quer que seja. Eu mudo de ideia com o vento – ou contra o vento, o que for mais interessante na hora. E não venha discutir comigo! Aliás, discuta sim, não há jeito melhor de ficarmos mais próximos.
Você me ama? Dane-se, eu também me amo. Não abrirei mão de mim assim tão fácil. Se você realmente me quer, terá de me enfrentar e me vencer em batalha. Aí, quem sabe, talvez mereça minha companhia. E se eu te quiser, farei de você meu desafio mais intenso. E se eu te amar, você será a única, a mais importante, o centro da minha atenção – enquanto durar o meu amor. Sim, porque nada dura para sempre, mas tenha certeza de que cada palavra e cada ato são verdadeiramente puros quando partidos de mim.
Não chame minha arrumação de bagunça. Só eu sei mexer nas minhas coisas. Quem disse que é errado colocar o despertador na geladeira? Minhas meias ficam muito bem penduradas na escada, obrigada. E se tirarem as gravatas da estante da sala, nunca mais acho as chaves do carro.
Não espere que eu siga a moda. Ou tendências. Ou ordens. Ou o que quer que seja. Eu não te sigo, você me segue, ou me deixe nadar contra o fluxo em paz. Prefiro transgredir a regra, causar polêmica, viver a minha personalidade em todas as possibilidades do que me limitar a ser normal.

Então me admire, me odeie, me abrace, me ignore, me aplauda, me reprima, me ame, me despreze, me desafie, me enfrente. Não é necessário me compreender, basta me deixar sentir que estou vivo.


N.A.: O texto acima está registrado no meu livro de poemas e contos, portanto está proibida a reprodução parcial ou total e a comercialização desse material sem autorização. Agradeço o respeito.

Nenhum comentário: